domingo, 23 de outubro de 2016

Por que o ser humano anda dormindo mais tarde? A luz, a revolução industrial, o clima e o escapismo

A marmota é um mamífero que hiberna durante o inverno. Diversas espécies de animais e não só da classe dos mamíferos, mas repteis e outros seres hibernam nas temperaturas mais baixas. Isso demonstra que o frio tem certa influência sobre o sono, contudo a maioria dos biologistas acreditam que o fator determinante dos animais hibernar seja por causa da falta de alimento durante o inverno, porém isso parece contraditório para algumas espécies como a do urso polar!

Afinal quem é que gosta de levantar cedo no frio do inverno? Ou pra quem vive em regiões mais quentes entre os trópicos: quem é que vai conseguir dormir abraçado com Satanás em plenas 9 ou 10 da noite?

Dizem que o fez o ser humano ir dormir mais tarde foi a ascensão a outros tipos de iluminação noturna que começou com os modernos lampiões até a luz elétrica.

Mas o que trouxe luz aos fatos, ou melhor a noite?


Os antigos não saíam jamais à noite; em nome de Deus, amém!

Isso é uma bobagem! Na Lua cheia que as bruxas saíam para suas festas noturnas, as raves daquela época, meu filho; os lobisomens também adoravam sair à luz da Lua cheia, e geralmente esses lobisomens eram os compadres que pegavam as comadres nos bosques; as mulheres de branco também saíam, eram as comadres que se encontravam com os compadres, ou você achou que o adultério é uma coisa atual na espécie humana?

Duendes, fadas, safadas e safados; todos aproveitavam a luz da Lua para fazer bacanais, aliás a festa bacanal provém do deus pagão romano Baco que era o senhor das festas, da diversão e da putaria sem fim.

Os adultos e jovens mais corretos e morais em comportamento (ou na ausência da Lua cheia para bacanais à noite) e pessoas velhas preferiam jogar algum jogo (bem foi aí que surgiu os jogos mais conhecidos do mundo ocidental: o baralho espanhol e pife-pafe) ou contar histórias, sobretudo as histórias sob a luz das velas e em tempos mais remotos sob a luz das fogueiras!

Quem nunca viu um filme ou leu a respeito de histórias sendo contadas por anciões ou adultos em torno de uma fogueira? Todo o folclore ocidental surgiu nessas reuniões à noite que iam, por vezes, até a meia-noite contando experiências e histórias das mais variadas.


Da vida no campo à vida urbana ao começo das federações

Contudo haviam alguns problemas em ficar contando histórias até a meia-noite naquela época em volta duma fogueira: primeiro a falta de histórias, a mesmice das mesmas histórias, a falta de lenha (é porque queimar tanta lenha poderia fazer falta no inverno) e precisam acordar cedo para poder trabalhar, porque a Lua não brilha sempre como o Sol.

A vida no campo exigia que as pessoas levantassem cedo para trabalhar, sobretudo os camponeses. Os senhores de terra ainda tinha algum luxo de ficar até mais tarde na cama, porque na época medieval as vigias à noite eram mais do que necessárias.

Com a vida urbana e a união dos reinos que viriam a formar os países a coisa melhorou, pelo menos se tratando de dormir mais tarde; porque de resto haveriam muitas guerras que agora não eram de reinos, mas de países!


Revolução industrial

Com as cidades e a burguesia foi possível a união de reinos e dos reinos a criação dos países. De fato os europeus que viviam em desordem se deram conta de que os romanos estavam certos, se é que eles sabiam quem eram os romanos! huehuehuheue

Com mais ordem na Europa foi possível um aumento de população gerando uma demanda surgiriam os modernos lampiões. A prensa tipográfica de Gutemberg, o Renascimento e o Iluminismo trariam 3 séculos depois a revolução industrial que por fim traria a tão aclamada eletricidade e por fim a lâmpada elétrica às cidades, mas levaria mais uns 7 séculos para que os camponeses que se reuniam em fogueiras pudessem usufruir da tecnologia, no Brasil 10 séculos (mil anos)!

Escapismo

Com a prensa tipográfica criada por Gutemberg as histórias contadas em volta da fogueira pelos camponeses puderam ficar em livros e ser lidas agora à luz de velas ou à luz de lamparinas e por fim à luz elétrica. O cansaço físico e mental tanto dos camponeses quanto dos senhorios de terra e burgueses aumentou algo que era relativamente pequeno no passado: dormir tarde!

Um dia cansativo de trabalho e crises familiares faziam as pessoas buscarem a companhia dos livros buscando fugir da realidade frustrante. Criava-se um sentimento antissocial que todos acreditam ser do século 21, mas que começou desde o princípio da humanidade. Também criava-se um mercado editorial e o folclore das histórias agora dava origem as histórias de ficção, nascia o romancismo.


Melhoria da vida urbana

Com o desejo de fugir da realidade, a vida urbana, a revolução industrial, os livros, a luz acessível para todos todas as noites; agora a desculpa era a melhoria da vida urbana e o clima.

O legado de atrocidade da escravidão de adultos, escravidão infantil, a revolução industrial, as duas guerras mundiais, a consciência da estupidez humana entre outros fizeram vir uma melhoria da vida urbana e isso fez com que as crianças estudassem muitas vezes à tarde e os próprios adultos mudassem os hábitos de acordar cedo que seus antepassados praticavam.
Trabalhar a noite agora era possível e o problema agora seria o clima!


Clima

Se você tem uma sociedade em ordem e tecnologia para ter luz à noite o único empecilho para ir dormir mais tarde é o clima; pois de manhã é mais frio ou mais fresco, então acordar cedo dependendo do trabalho pode ser uma opção.


Ares-condicionados

Se no passado a luz elétrica era inacessível aos pobres, hoje são os ares-condicionados. Você pode não ter desculpa para dormir tarde porque de manhã é muito frio e melhor de dormir porque hoje existem os ares-condicionados, mas a conta de luz e o preço dos ares-condicionados são quase que inacessíveis aos mais pobres no mundo.


Internet

A internet também tem sua parcela de culpa, porque conseguiu substituir em parte o livro, o jornal e a revista e agora se encaminha para substituir a televisão, o cinema, os videogames e as locadoras.

A internet também conseguiu substituir aquelas conversas em volta da fogueira, os encontros de amantes à luz do luar e inclusive o mais vital dos instintos de uma espécie: o contato direto entre semelhantes, embora que na verdade seja indireto!

Se a TV uniu a luz com o audiovisual; agora é a tela de um computador que uniu livros, revistas, jornais, revistas, vídeos à luz! O problema é que a nossa visão e nosso cérebro são sensíveis a luz. Enquanto um felino não vê problema em dormir de dia, porque enxerga à noite; nós seres humanos não temos essa opção.

A tecnologia e internet nos tornou robôs? E talvez no futuro ao invés de termos seres humanos por aqui vivendo teremos robôs biológicos como acreditava HG Wells em The Man of fhe Year Million ou Isaac Asimov em Eu Robô falando de máquinas dominando o planeta.

Seja como for, escravos nós sempre fomos, Platão nos fala da alegoria da caverna, do mito do andrógino e da lenda de Atlântida que relatam que nós seres humanos não passamos de seres limitados em toda essência ou como diria Sócrates: “tudo que sabemos é que nada sabemos”!